25 janeiro 2011

1001 Filmes: 2001 - Uma Odisseia No Espaço (2001 - A Space Odyssey)

DIREÇÃO: Stanley Kubrick;
ANO: 1968;
GÊNEROS: Aventura e Ficção Científica;
NACIONALIDADE: Inglaterra;
IDIOMA: Inglês e Russo;
ROTEIRO: Stanley Kubrick e Arthur C. Clarke;
BASEADO EM: conto 'A Sentinela' de Arthur C. Clarke;
PRINCIPAIS ATORES: Keir Dullea (Dr. David Bowman); Gary Lockwood (Dr. Frank Poole); William Sylvester (Dr. Heywood R. Floyd); Douglas Rain (voz do computador HAL 9000); Daniel Richter (Moon-Watcher); Leonard Rossiter (Dr. Andrei Smyslov); Margaret Tyzack (Elena); Robert Beatty (Dr. Ralph Halvorsen); Sean Sullivan (Dr. Bill Michaels); Frank Miller (Voz Do Controle da Missão); Bill Weston (Astronauta); Ed Bishop (Aries-1B Capitão Luna Shuttle) como Edward Bishop; Glenn Beck (Astronauta); Alan Gifford (Pai de Frank Poole); Ann Gillis (Mãe de Frank Poole).





SINOPSE: "Desde a 'Aurora do Homem' (a pré-história), um misterioso monolito negro parece emitir sinais de outra civilização interferindo no nosso planeta. Quatro milhões de anos depois, no século XXI, uma equipe de astronautas liderados pelo experiente David Bowman e Frank Poole é enviada à Júpiter para investigar o enigmático monolito na nave Discovery, totalmente controlada pelo computador HAL 9000. Entretanto, no meio da viagem HAL entra em pane e tenta assumir o controle da nave, eliminando um a um os tripulantes. O autor escreveu três outras obras baseadas no livro/roteiro original, como forma de sequência e de finalização dos três últimos atos do filme: 2010: Uma Odisséia no Espaço II, 2061: Uma Odisséia no Espaço III e 3001: A Odisséia Final." (Cinema Menu).



"Pela primeira vez nessa nossa jornada, nos deparamos com um dos maiores clássicos do cinema, e por conta dessa definição, achamos que qualquer nota menor que 5 é quase impossível. Pois é, estávamos errados! Mais um aprendizado, onde nos foi ensinado que nem todos os clássicos do cinema serão grandes filmes para nós. O filme é considerado um clássico por nós por vários aspectos: 1) retratar a chegada do homem a lua um ano antes de se tornar realidade; 2) produzir imagens clássicas do cinema, onde mesmo aqueles mais distantes da sétima arte, já as viram em algum momento; 3) conseguir fazer um 'filme mudo' mesmo tendo 40 minutos de fala; 4) unir de maneira vital, indissociável e perfeita, imagens e música; 5) produzir imagens pioneiras do espaço, como nunca antes havia sido feita, e; 6) retratar de forma quase premonitória a relação íntima do Homem com a Máquina, e ir além, também retratar a dependência do Homem pela Máquina. Vale ressaltar algumas características acertadas desse filme. A primeira, é sobre as cenas clássicas que ele produziu, trazendo cenas que estão nas mais lembradas, simbólicas e inesquecíveis do cinema, como: o macaco batendo nos ossos, e depois, jogando um desses para o céu, até virar uma nave espacial; a viagem alucinante do Dr. David no tempo refletida no visor do seu capacete, e; dentro da nave, em seu habitat circular, onde os astronautas ficam andando em qualquer direção. É interessante ressaltar também a trilha sonora, onde também é mais um item clássico do cinema, e assim como nas cenas, qualquer pessoa que tenha tido um mínimo de contato com a sétima arte, já ouviu 'Assim Falou Zaratustra (Also sprach Zarathustra, Op. 30)' de Richard Strauss que aparece no começo e no final do filme. A escolha dessa música não foi ao acaso, pois Strauss a compôs em 1896 baseado no 'tratado filosófico' de mesmo nome escrito por Friedrich Nietzsche, onde ele narra a noção de que os seres humanos são uma forma transicional entre macacos e o que Nietzsche chamou de Übermensch (traduzido como 'além-do-homem' ou 'super-homem'). É inegável o papel importante que esse filme trouxe para a cinematografia, para a história do entretenimento e para nós, ele é um clássico, e disso eu não discordo, assino em baixo. Mas o filme em si, sem uma visão analítica, ele é bastante fraco, confuso, sem sentido, com uma narrativa pobre, com a atuação dos atores dispensáveis, etc, e por isso, analisando apenas o filme em si, sem olhar para as entrelinhas, ele é regular."

(1: Ruim; 2: Regular; 3: Bom; 4: Ótimo; 5: Excelente)
Jonathan Pereira





"Falando de Stanley Kubrick devo dizer que há melhores obras realizadas por este mestre. Mas, de qualquer forma, 2001 é um filme clássico, que conseguiu, em toda sua controvérsia, entrar para a história do cinema e consagrar modos inovadores, para a época, de filmagem e produção de arte e de som. Um filme que não se encaixa em gêneros, de tão singular, mas que peca em falta de atuação (que talvez nem seja exigência do contexto mostrado) e em roteiro, parecendo meio perdido pelo caminho. Pensei, ao ver este filme, em como a ambição humana por dar poder à máquina pode levar a caminhos desconhecidos: como será um futuro em que a máquina poderá dizer que reconhece a projeção de suas emoções no ser humano à frente dela? Assim, destaco como interessantes a relação homem-máquina e a especulação sobre a origem da vida e acerca do infinito (temas que podem dar muito a refletir em nossa era pós-moderna), mesmo que tenham ficado meio... 'mal explicados'."

(1: Ruim; 2: Regular; 3: Bom; 4: Ótimo; 5: Excelente)
Kleber Godoy





Para entender o que são os 1001 Filmes, acesse a página explicativa.

Para entender a dinâmica do 'O Teatro Da Vida' visite a página sobre o blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...