11 fevereiro 2013

1001 +: O Discurso Do Rei (The King's Speech)

DIREÇÃO: Tom Hooper;
ANO: 2010;
GÊNEROS: Drama;
NACIONALIDADE: Inglaterra;
IDIOMA: ingles;
ROTEIRO: David Seidler;
BASEADO EM: ideia de David Seidler;
PRINCIPAIS ATORES: Colin Firth (Príncipe Alberto e Duque de York/Rei Jorge VI); Geoffrey Rush (Lionel Logue); Helena Bonham Carter (Elizabeth, Duquesa de York/Rainha Elizabeth); Guy Pearce (David, Príncipe de Gales/Rei Eduardo VIII); Timothy Spall (Winston Churchill); Derek Jacobi (Arcebispo Cosmo Lang); Jennifer Ehle (Myrtle Logue); Michael Gambon (Rei Jorge V); Anthony Andrews (Stanley Baldwin); Eve Best (Wallis Simpson); Freya Wilson (Princesa Elizabeth); Ramona Marquez (Princesa Margarida) e Claire Bloom (Rainha Maria de Teck).




SINOPSE: "O filme conta a história do rei Jorge VI, que contrata Lionel Logue, um fonoaudiólogo, para lhe ajudar a superar a gagueira. Os dois homens tornam-se amigos enquanto trabalham juntos e, depois que seu irmão abdica, o rei confia em Logue para ajudá-lo a fazer um importante discurso no rádio no começo da Segunda Guerra Mundial." (wikipedia)


"Um filme de agradecimento de um plebeu ao seu Rei, afinal, David Seidler, o roteirista do filme, estava ouvindo o 'O Discurso Do Rei', e ao perceber que seu Rei havia se curado de sua gagueira, criou forças para que ele próprio buscasse uma ajuda, então, Seidler foi até a Rainha Eliabezath pedir a permissão para representar a história de seu marido, e teve o aval, com uma condição: que o enredo fosse apresentado após sua morte. Depois dessa curiosidade, voltemos ao filme. A atuação de Colin Firth é pontual como a pontualidade inglesa do chá das 5, conseguiu demonstrar na expressão facial e no olhar a angústia de seu personagem. Oscar merecido, mesmo não tendo assistido a todos os outros concorrentes. Mas a atuação de Geoffrey Rush é ainda melhor, talvez pela sua dicção perfeita, brincadeira (risos). O filme como um todo é ótimo, mas tendo como concorrente 'A Origem (Inception, Christopher Nolan, 2010)' não deveria ter levado o prêmio. Atuações excelentes, enredo bom, fotografia impecável, trilha sonora boa, no geral, não foi o melhor do ano. Mas merecia um Oscar honorário para apenas uma parte do enredo, que poderia ser o todo, a amizade límpida, direta, verdadeira, profunda, emocional e vital de um Rei e de seu súdito, amizades que possibilitam o amigo plebeu sentar no trono do amigo Rei, excepcional esse recorte. Assim como Van Gogh, Mozart ou Pelé, é possível ser um ícone na sua área profissional sem ter um título acadêmico, e esse detalhe também é interessante de ser ressaltado. Não importa, ser plebeu ou Rei, haverão pontos em comum, tanto os bons quantos os ruins, e ter a coragem de trazer um problema mundialmente difundido, e pouco explorado, para a telona, e o levar a ganhar o maior prêmio do cinema, tem seu importante papel social ajudando milhares de gagos a serem homens e mulheres mais fortes e confiantes, como diz Lionel: 'Sim, você tem voz! Você tem muita perseverança Bertie, é o homem mais corajoso que conheço'."

(1: Ruim; 2: Regular; 3: Bom; 4: Ótimo; 5: Excelente)
Jonathan Pereira





"Emocionante, belo, bem produzido, com excelentes atores e roteiro que é, além de bem construído, muito significativo, contando parte de uma história de amizade e superação, uma história real dos bastidores da Realeza. Para o roteiro contamos com David Seidler, e para a direção, com o jovem londrino Tom Hooper. Combinação perfeita nos bastidores, criando esta atmosfera de filme britânico que adoro nestas obras locais, me fazendo lembrar daquele clima da série Harry Potter, a qual muitos dos atores deste filme também fizeram parte. Logo, no elenco contamos com grandes nomes como Michael Gambon (interpretando o Rei Jorge V), Timothy Spall (fantástico ator inglês, interpretando pela segunda vez o personagem histórico Winston Churchill) e Helena Bonham Carter, que interpreta a Duquesa de York/Rainha Elizabeth, com aquele toque cômico que só ela sabe dar, além de ser uma esposa carinhosa e dedicada até as últimas consequências. Aliás, o papel desta mulher é decisivo para todo desenrolar da história – quando até mesmo o rei havia desistido, ela não descansava. E é claro que devo destacar Geoffrey Roy Rush, ator australiano brilhante que neste filme é o terapeuta Lionel Logue, já tendo provado sua capacidade anteriormente como Capitão Hector Barbossa na série 'Piratas do Caribe (Pirates Of The Caribbean)'. Junto a ele vemos Jorge VI do Reino Unido, o nosso rei gago, interpretado por Colin Firth, merecendo o Oscar de melhor ator que ganhou por este papel. Fiz esta introdução falando dos atores, pois tem uma categoria no Screen Actors Guild, prêmio dado pelo sindicato americano de atores, que eu gosto muito, a de 'Melhor Performance De Um Elenco Em Filme', o qual 'O Discurso Do Rei' venceu, mostrando este entrosamento do elenco: tudo nos conformes à moda britânica. Este filme tem diversas curiosidades, como a inserção de diversas falas terem sido retiradas do diário do terapeuta, descoberto poucas semanas antes das filmagens, dando maior realidade à história (e maior trabalho à produção, para refazer algumas falas). A história tem pontos muito significativos, que emocionam o espectador, através do contato terapêutico, desta relação de ajuda que se forma, entre o rei e seu terapeuta que, em muitos momentos é muito parecida com a relação que acontece entre psicólogo e seu paciente. Logue impõe diversas regras ao seu ilustre paciente o fazendo deixar as barreiras de lado e aderir a um tratamento pouco ortodoxo no qual o importante era a confiança. Logo no primeiro encontro dos dois, o rei pergunta: 'Não vai começar o tratamento, Dr. Logue?', no que o 'Dr.' responde: 'Só se estiver interessado em ser tratado'. Logo, passa a responsabilidade questionando o quanto ele deseja esta cura ou se esconde atrás dela. O simbolismo existente se concretiza: o rei precisa de voz e tem voz... precisando se conscientizar disso e ultrapassar as barreiras que o impedem de falar. Neste sentido entram conflitos familiares, questões de hierarquia e toda uma legião de súditos esperando muito de seu representante, talvez mais do que ele acredite poder dar. Logo, o terapeuta-ator, vê e atua em todos os pontos necessários além da mecânica da voz. Há cenas brilhantes no roteiro e destaco uma delas, a mais notável: no discurso de guerra que Jorge faz há Beethoven de fundo e o terapeuta a reger seu paciente, uma cena que fica para a história do cinema mundial pela sua beleza estética e grande carga de sentimento, mostrando dois dramas, sendo um mundial e outro pessoal e familiar! No mais, não que os prêmios sejam tão importantes assim, mas ajudam a conferir aos filmes um lugar na história e, neste sentido, concorrendo com outros grandes filmes, alguns já comentados aqui por nós, venceu 4 Oscars: filme, diretor, ator e roteiro original. Um sucesso!"

(1: Ruim; 2: Regular; 3: Bom; 4: Ótimo; 5: Excelente)
Kleber Godoy





Para entender o que são os '1001 Filmes', acesse a página explicativa.

Para entender a dinâmica do 'O Teatro Da Vida' visite a página sobre o blog.





















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...