09 julho 2011

1001 Filmes: Atire A Primeira Pedra (Destry Rides Again)

DIREÇÃO: George Marshall;
ANO: 1939;
GÊNEROS: Faroeste;
NACIONALIDADE: EUA;
IDIOMA: inglês;
ROTEIRO: Felix Jackson;
BASEADO EM: história de Frederick Schiller Faust, sob o pseudônimo de Max Brand, na revista 'Twelve Peers' e 'Western Story Magazine';
PRINCIPAIS ATORES: Marlene Dietrich (Frenchy); James Stewart (Thomas Jefferson 'Tom' Destry Jr.); Mischa Auer (Boris Stavrogin); Charles Winninger (Washington Dimsdale); Brian Donlevy (Kent); Irene Hervey (Janice Tyndall); Una Merkel (Lily Belle); Allen Jenkins (Gyp Watson); Warren Hymer (Bugs Watson); Billy Gilbert (Loupgerou); Samuel S. Hinds (Mayor Hiram J. Slade); Jack Carson (Jack Tyndall); Tom Fadden (Lem Claggett); Virginia Brissac (Sophie Claggett) e Edmund MacDonald (Rockwell).





SINOPSE: "Depois que o xerife da cidade é morto pelo vilão local, a estrela vai parar no peito de um bêbado, que (imagina-se) não irá incomodar a gangue. Acontece que ele já havia sido delegado do famoso Tom Destry, e agora chama o jovem Tom Destry Jr. para ser seu parceiro na tarefa de livrar a comunidade dos malfeitores." (Desvendando Estrelas).



"Mais uma vez minha frase: 'esse é o primeiro filme nos 1001 que...', desta vez me referindo ao gênero faroeste, e também, o primeiro filme de 'bang-bang' que assisto na vida. Porém, mesmo não tendo assistido a filmes deste gênero criei um pré-conceito comum: filmes de faroeste são sempre cheio de tiros, agregados a mais tiros, com mais tiros, e um cabaré, mulheres da vida, xerife, machões, etc. E um ponto positivo que o George Marshall conseguiu com esse filme, foi fazer um herói desarmado e educado, em meio a um gênero onde a arma, o tiro e a falta de educação são tão essenciais quanto o ar para se respirar, desmitificando ou renovando um gênero de filme tão linear e previsível. O filme é a refilmagem de 'Atire A Primeira Pedra (Destry Rides Again, Benjamin Stoloff, 1932)' e serviu como base para o filme 'Destry (Destry, George Marshall, 1954)'. Vale ressaltar a bela atuação do elenco no geral, e em especial, a de Marlene Dietrich, uma atriz alemã, que ao negar fazer apologia ao sistema de governo de Adolf Hitler no cinema, foi expulsa da Alemanha e considerada traidora do povo alemão, tornando-se então cidadã norte-americana. Mas voltando ao filme, realmente parece ser um filme de 'western' com algo que o diferencia do restante, agregado a uma boa história, bons personagens e atuações impecáveis, ficando recomendado por mim."

(1: Ruim; 2: Regular; 3: Bom; 4: Ótimo; 5: Excelente)
Jonathan Pereira





"Tiroteio, saloon, delegado, xerife, beberrões e uma bela donzela sem pudores: tudo o que um faroroeste requer. Mas além disso o filme passa uma mensagem sobre coragem e honestidade, na qual não se precisa de armas de fogo para assustar os criminosos e, mais do que isso, uma postura sólida e pautada na justiça. Esta comédia em forma de faroeste foi muito significativa para a história do cinema e George Marshall soube conduzir muito bem a história e as cenas, contendo duas cenas lindas de 'quase beijo' entre a dama do Saloon e o jovem delegado. Para quem gosta do gênero e quer se divertir com as atuações de Brian Donlevy, James Stewart e Marlene Dietrich (cantando e encantando com um belíssimo figurino e maquiagem) é uma ótima alternativa."

(1: Ruim; 2: Regular; 3: Bom; 4: Ótimo; 5: Excelente)
Kleber Godoy





Para entender o que são os 1001 Filmes, acesse a página explicativa.

Para entender a dinâmica do 'O Teatro Da Vida' visite a página sobre o blog.





















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...