30 janeiro 2013

Matizes E Texturas: Madona Da Humildade Com Seis Anjos (Agnolo Gaddi)

Por Jonathan Pereira


Agnolo Gaddi (1345-1396), Renascença
Madona Da Humildade Com Seis Anjos (1390), têmpera sobre painel
0,58 x 1,18 cm, Galeria Da Academia, Florença


PINTURA: Madona Da Humildade Com Seis Anjos (Madonna Of Humility With Six Angels)
PINTOR: Agnolo Gaddi
PERÍODO: Início Da Renascença
ESCOLA: Escola Florentina
TÉCNICA: Têmpera
SUPORTE: Painel
DIMENSÕES (LxA): 0,58 x 1,18 cm
CONCEPÇÃO: 1390
LOCAL DE EXPOSIÇÃO: Galeria Da Academia De Belas Artes, Florença, Itália





PINTOR 
Agnolo Gaddi foi um pintor italiano do Trecento, filho de outro pintor, Taddeo Gaddi e neto de outro, Gaddo Gaddi. Começou seus estudos no ateliê de Giovanni da Milano e Jacopo del Casentino. Gaddi viveu em uma época de transição da arte italiana sendo um dos últimos pintores influenciado por Giotto, mas pouco renovou na arte. Foi somente nos últimos anos, com a restauração de muitas de suas obras, que Gaddi começou a ser revalorizado evidenciando dois aspectos: a plena autonomia profissional alcançados e uma estreita colaboração com escultores florentinos para que forneceram os desenhos dos trabalhos a serem executados.Sua obra mais importante são os afrescos no coral da Basílica da Santa Cruz, em Florença, encomendados em 1380 por Jacopo degli Alberti. É uma obra inspirada diretamente na Lenda Áurea de Jacopo de Varazze. No mesmo templo, decorou a Capela Castellani com episódios das vidas de Nicolau de Mira e Antão do Deserto junto com Gherardo Starnina. Em 1392, Agnolo Gaddi viajou até Prato para elaborar os afrescos do Palazzo Datini com Niccolò di Pietro Gerini.





ESCOLA
A chamada escola florentina compreende um grupo de pintores italianos influenciados pelo estilo naturalista desenvolvido da cidade de Florença, na época da arte italiana chamado Trecento. Esses artistas foram amplamente influenciados por Giotto, que, diferente de Duccio e outros artistas da escola sienesa, fundiu elementos da arte bizantina com a arte paleocristã e com a arte romana, distanciando-se assim da chamada maniera greca, que dominava a Itália naquele tempo. A arte mais antiga da Toscana, produzida no século XII, em Pisa e Lucca, formou a base para o desenvolvimento posterior. Nicola Pisano mostrou seu gosto pelas formas clássicas assim como seu filho, Giovanni Pisano, que levou as novas idéias da escultura gótica para o vernáculo toscano, criando figuras de impressionante naturalismo. Essa arte eccou no trabalho de pintores de Pisa nos séculos XII e XIII, principalmente Giunta Pisano, que por sua vez influenciou Cimabue, e através dele, Giotto. A representação pictórica mais antiga de Florença são os mosaicos do interior da cúpula do Battistero di San Giovanni, que foram executados em 1225. Acredita-se que Coppo di Marcovaldo tenha criado a figura central de Cristo, cheia de volume, diferente dos antigos mosaicos bizantinos. Obras similares foram encomendadas para a Basílica de Santa Maria Novella, a Igreja da Santa Trindade e a Igreja de Ognissanti no final do século XIII e começo do século XIV. Duccio e Cimabue criaram também painéis que se afastavam da tradição bizantina. Giotto e Bernardo Daddi podem ter se inspirado nas figuras murais de Roma para a criação de obras que enfatizavam o uso da luz. No final do século XV a Escola Florentina começou a desaparecer, dando lugar ao Renascimento. Um dos últimos artistas da Escola foi Andrea di Cione.





PERÍODO
O Renascimento cultural manifestou-se primeiro na região italiana da Toscana, tendo como principais centros as cidades de Florença e Siena, de onde se difundiu para o resto da península Itálica e depois para praticamente todos os países da Europa Ocidental, impulsionado pelo desenvolvimento da imprensa por Johannes Gutenberg. A Itália permaneceu sempre como o local onde o movimento apresentou maior expressão, porém manifestações renascentistas de grande importância também ocorreram na Inglaterra, Alemanha, Países Baixos e, menos intensamente, em Portugal e Espanha, e em suas colônias americanas. Nas artes o Renascimento se caracterizou, em linhas muito gerais, pela inspiração nos antigos gregos e romanos, e pela concepção de arte como uma imitação da natureza, tendo o homem nesse panorama um lugar privilegiado. Mas mais do que uma imitação, a natureza devia, a fim de ser bem representada, passar por uma tradução que a organizava sob uma óptica racional e matemática, num período marcado por uma matematização de todos os fenômenos naturais. Na pintura a maior conquista da busca por esse "naturalismo organizado" foi a recuperação da perspectiva, representando a paisagem, as arquiteturas e o ser humano através de relações essencialmente geométricas e criando uma eficiente impressão de espaço tridimensional.





TÉCNICA
A têmpera é um método de pintura no qual os pigmentos de terra são misturados a um “colante”, uma emulsão de água e gemas de ovo ou ovos inteiros (às vezes cola ou leite). A têmpera foi largamente utilizada na arte italiana nos séculos XIV e XV, ambos em afrescos ou painéis de madeira preparados com gesso, que foram, posteriormente substituídos pela pintura a óleo. As cores de têmpera são brilhantes e translúcidas. Por ter um tempo de secagem muito rápido, a graduação de tons se torna dificultada. Daí, a técnica utilizada para tal fim, é o acréscimo de pontos ou linhas mais claras ou mais escuras na pintura já seca. Pode-se também trabalhar com o verniz sobre a tinta, realçando o brilho e a cor. Diz-se têmpera forte aquela na qual o pigmento é menos diluído.





FONTE: wikipedia.


Para entender a dinâmica do 'O Teatro Da Vida' visite a página sobre o blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...