30 julho 2011

1001 Filmes: Arizona Nunca Mais (Raising Arizona)

DIREÇÃO: irmãos Coen (Joel Coen, diretor oficial; Ethan Coen, diretor não oficial);
ANO: 1987;
GÊNEROS: Comédia;
NACIONALIDADE: EUA;
IDIOMA: inglês;
ROTEIRO: irmãos Coen;
BASEADO EM: ideia dos irmãos Coen;
PRINCIPAIS ATORES: Nicolas Cage (H.I. McDunnough); Holly Hunter (Edwina 'Ed' McDunnough); Trey Wilson (Nathan Arizona); John Goodman (Gale Snoats); William Forsythe (Evelle Snoats); Sam McMurray (Glen); Frances McDormand (Dot); Randall 'Tex' Cobb (Leonard Smalls) e T.J. Kuhn (Nathan Arizona Jr.).





SINOPSE: "O ex-presidiário H.I. McDonnough preso tantas vezes que acaba se casando com a policial Edwina. Após algum tempo, descobrem que não podem ter filhos e decidem seqüestrar um dos quíntuplos de um casal de milionários, mas descobrem que criar um filho, ainda mais roubado de outros, que não é tão fácil como imaginaram." (CineClick).



"É um filme bastante gostoso de se assistir e, muitas vezes, mais cômico que muitos filmes classificados como tal. É bastante leve, familiar e fluído, apesar de o enredo do filme poder ser encaixado em um drama policial pesado, forte e intenso. É o nosso primeiro filme da dupla famosa 'Os Irmãos Cohen', e se for nesse ritmo, será algo bastante agradável acompanhá-los em outras tramas. É um filme que preza pela minuciosidade das atitudes e consequências, e que a cada momento apresenta um ingrediente novo para poder tornar a trama ainda mais complexa e de um desfecho natural e fácil. Apesar de tudo, mostra que muitas vezes criminosos não são necessariamente pessoas más, mas sim, pessoas que fizeram algo condenável e proibido pela sociedade. Uma impecável atuação de Nicolas Cage, e um encantamento com os bebês do filme."

(1: Ruim; 2: Regular; 3: Bom; 4: Ótimo; 5: Excelente)
Jonathan Pereira





"Engraçado notar que quando se fala em algum filme de Ethan Jesse Coen e de Joel David Coen cita-se ambos como uma unidade, os ‘irmãos Coen’, não se falando nem de Ehan, nem de David sozinhos. E parece que esta parceria dá certo, trazendo fama e prêmios aos dois. O filme apresenta Nicolas Cage nos anos de 1980, com ótima performance nesta comédia, junto com o primeiro destaque de Holly Hunter, que mais tarde viria a se destacar como ganhadora de Oscar, Grammy e Globo de ouro em outros trabalhos. Assim, com a simplicidade na atuação e no roteiro o filme nos fala de um drama, mas com muito humor, nos fazendo entrar na vida de um casal que começa bastante egoísta, mas que alcança a humanização, vendo o lado dos outros também, percebendo que cada um tem seu lugar neste mundo e que o deles deve ser buscado (seja no Arizona ou em Utah, como brinca a comédia). Apesar de ser uma comédia tem um final bem reflexivo e com muitas questões existenciais, nos falando de sonhos que podemos sonhar, de como podemos ser leves como o ar e pensar os acontecimentos da vida com significados, com esperança e com otimismo misturado à dura realidade. Pensar que enquanto casal mesmo que não se tenha tudo, tem-se um ao outro. Pensar que esta capacidade de se sonhar com um futuro longe e próspero deve ser conservada, acreditando que se pode envelhecer junto com o outro e encontrar a felicidade achando atalhos e alternativas para os obstáculos e faltas. Como McDonnough idealiza: um lugar onde todos os pais são fortes, sábios e capazes e todas as crianças são felizes e amadas."

(1: Ruim; 2: Regular; 3: Bom; 4: Ótimo; 5: Excelente)
Kleber Godoy





Para entender o que são os 1001 Filmes, acesse a página explicativa.

Para entender a dinâmica do 'O Teatro Da Vida' visite a página sobre o blog.






















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...